Atrações


 

Catedral Metropolitana

Construída pelo bandeirante Francisco Dias Velho , fundador da cidade, em 1730 é um marco histórico. Passou por uma grande reforma em 1922 que alterou suas características originais, mas consolidou sua beleza e imponência.

 

A Catedral fica na Praça XV de Novembro, ela também um ponto de atração da cidade, com variadas espécies de árvores, entre elas uma figueira centenária.

 

 

Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição

A Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba foi a última das quatro fortalezas idealizadas pelo brigadeiro português José da Silva Paes e a única destinada a proteger a entrada da Barra Sul da Ilha de Santa Catarina.

 

Construída entre 1742 e 1744, nela se destaca a bateria principal de canhões de formato circular situada na posição mais elevada do conjunto. A Fortaleza, que está jurisdicionada ao Ministério do Exército, foi tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1980, existindo atualmente estudos para sua restauração.

 

Em 1742 têm início a construção de uma quarta fortificação, a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, localizada na Ilha de Araçatuba, com a função de guarnecer o estreito canal de entrada da baía sul. A fortaleza integra o Parque da Serra do Tabuleiro. Sua construção completaria o que Silva Paes julgava um sistema defensivo, adequado para a Vila do Desterro, principalmente com o triângulo defensivo formado pelas três fortalezas da baía norte.

 

Dicas:

 

Localizada na Ilha de Araçatuba, na entrada da Barra Sul da Ilha de Santa Catarina, Município de Palhoça, pode-se chegar a esta Fortaleza através da BR 101, acesso pela Praia do Sonho ou indo até o final do acesso à Caieira da Barra do Sul, na Ilha de Santa Catarina. Nos dois casos, há sempre algum barqueiro disponível para a travessia até Araçatuba. A ilha não possui trapiche ou praia, sendo que o desembarque só é possível com tempo bom.

 

 

Fortaleza de Santa Cruz - Ilha de Anhatomirim

Construída por volta de 1740 pelo Brigadeiro José da Silva Paes para defender o Norte da Ilha de Santa Catarina em conjunto com as fortalezas de Santo Antonio, na Ilha de Ratones e São José na praia do Forte, esta a única com alguma possibilidade de rechaçar o desembarque espanhol feito em Canasvieiras.

 

A Fortaleza de Santa Cruz na ilha de Anhatomirim, é lembrada com certo tabu pelos habitantes mais velhos de Florianópolis e região , por sua história sempre relacionada com a invasão espanhola em 1777, na qual não teve a menor utilidade defensiva, mesmo porque não houve resistência em nenhuma parte.

 

Todo o sistema de defesa montado para defender a Baía Norte não passou de um grande fracasso, um erro estratégico imperdoável. A distância entre os fortes era de 6 Km, enquanto o canhão de maior calibre tinha um alcance máximo de 2 Km. Em 1777, uma esquadra espanhola, adentrou o canal com 20 vasos de guerra, 97 navios mercantes, 674 canhões, 12 mil homens e mantimentos para 6 meses de cerco. Ocuparam a ilha e só foram embora no ano seguinte, após a assinatura do tratado de Santo Idelfonso, no qual Portugal sedeu a província de Sacramento (atual Uruguai) em troca de outras terras, entre elas a Ilha.

 

Mas o episódio que mais contribuiu para essa lembrança triste que se tem da ilha é o fato de ter servido como presídio político em 1894 , durante o governo republicano de Floriano Peixoto . Para lá foram mandados 185 cidadãos da vila do Desterro, como era chamada Florianópolis. Esses homens favoráveis à criação de uma federação dos estados brasileiros, foram fuzilados sem nenhuma chance de defesa judicial. Durante a revolução constitucionalista em 1930 , governo de Getúlio Vargas, a fortaleza voltou a servir como presídio político.

 

Depois ficou sob tutela da Marinha até 1960 , quando as famílias que a conservavam mudaram-se, e Anhatomirim foi entregue aos invasores e saqueadores , logo restavam apenas ruínas. Em 1979 a Universidade Federal de Santa Catarina iniciou a restauração da mais majestosa edificação, orgulho de Silva Paes que se referia a ela como tendo as mais nobres acomodações militares das Américas , destacando o Portal de acesso com linhas de ligeira influência oriental e a escadaria de acesso feita com lioz português, pedra muito semelhante ao mármore. Hoje totalmente restaurada e mantida pela UFSC, a ilha e todas as suas edificações estão muito bem cuidadas , contando com estrutura para receber os turistas trazidos em sua maioria pelas escunas de passeio.

 

No alojamento da tropa, a maior das construções da ilha , está sendo montada uma exposição permanente de mamíferos marinhos que já conta com um esqueleto de baleia montado. Anhatomirim e a Fortaleza de Santa Cruz agora são motivo de orgulho e um exemplo a ser seguido em muitas construções históricas.

 

Caminhar pelos gramados que circundam a ilha , observar os detalhes das construções , saborear pratos típicos no restaurante é sem dúvida uma ótima opção de turismo, e que ainda possibilita um contato com a nossa história.

 

O canal entre Anhatomirim e o continente, chamado Baía dos Golfinhos, é o lar permanente de um grupo de 120 golfinhos-cinza que podem ser observados do barco, mas recomenda-se manter distância para não importuná-los, evitando assim , que migrem para outro local mais tranqüilo.

 

Dicas:

Visitação : todos os dias das 9 às 17h Acesso: 3 empresas fazem o roteiro que passa por Ratones e Anhatomirim , partindo do centro da cidade. O preço na baixa temporada é de 10 reais pela travessia mais 4 reais para entrar nas fortalezas. Na alta temporada o preço varia entre 15 e 20 reais conforme a embarcação e há partidas também de Canasvieiras. Scuna Sul 048 2251806 - Veleiros Tur 48 225 76 22 - Ponto Sul 48 223 0399

 

 

Fortaleza de Santana

Localizada sob a ponte Hercílio Luz está a Fortaleza de Santana. Edificado entre os anos de 1761-65, durante o governo do Coronel Francisco A.C. de Menezes e Souza.

 

Com o objetivo de protejer a Baía Sul e impedir a estrada de embarcações não autorizadas à Nossa Senhora do Desterro. Possuía 10 canhões dos quais alguns ainda ali se conservam. De todas as construções militares da ilha, é a que melhor se conserva, tendo sido restaurada e guardando, hoje, o acervo do Museu de Armas da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina.

 

A construção era composta apenas de Quartel da Tropa, Casa de Pólvora, Quartel do Comandante e Cozinha. Todas essas peças abriam-se para o pátio, onde os canhões, pousados sobre a muralha, poderiam cruzar fogo com o forte de São João, no Continente.

 

Suas aberturas de cantaria foram conservadas, embora o armamento lá existente, hoje em dia, seja de época posterior Em 1863, o forte de Santana sofreu uma série de reparos, sob orientação do Tenente do Corpo de Engenheiros Antonio Pereira Rebouças Filho.

 

 

Fortaleza de Santo Antônio

Fazia parte do sistema de defesa da Baía Norte formando um triangulo, juntamente com as fortalezas de São José da Ponta Grossa e Santa Cruz de Anhatomirim.

 

Construída em 1740 na Ilha de Ratones Grande, com 13 canhôes. O nome da ilha vem da semelhança de seu traçado com o de um enorme rato (ratón em espanhol).

 

Um curiosidade histórica, é que naquela época os soldados das guarnições portuguesas usavam um colete verde como parte do uniforme, dando origem a denominação "barriga verde" dada aos ilhéus e, posteriormente, a todos os catarinenses.

 

Todo o sistema de defesa montado para defender a Baía Norte não passou de um grande fracasso, um erro estratégico imperdoável. A distância entre os fortes era de 6 Km, enquanto o canhão de maior calibre tinha um alcance máximo de 2 Km. Em 1777, uma esquadra espanhola, adentrou o canal com 20 vasos de guerra, 97 navios mercantes, 674 canhões, 12 mil homens e mantimentos para 6 meses de cerco.

 

Ocuparam a ilha e só foram embora no ano seguinte, após a assinatura do tratado de Santo Idelfonso, no qual Portugal sedeu a província de Sacramento (atual Uruguai) em troca de outras terras, entre elas a Ilha.

 

Dicas:

 

Visitação: todos os dias das 9 às 17h Acesso: 3 empresas fazem o roteiro que passa por Ratones e Anhatomirim , partindo do centro da cidade. O preço na baixa temporada é de 10 reais pela travessia mais 4 reais para entrar nas fortalezas. Na alta temporada o preço varia entre 15 e 20 reais conforme a embarcação e há partidas também de Canasvieiras. Scuna Sul 048 2251806- Veleiros Tur 48 225 76 22 - Ponto Sul 48 223 0399 O que levar. Máquina Fotográfica.

 

 

Fortaleza de São José da Ponta Grossa (Forte de Jurerê)

Fazia parte do sistema de defesa da Baía Norte formando um triangulo, juntamente com as fortalezas de Santo Antônio e Santa Cruz de Anhatomirim.

 

Construída em 1740 na praia do Forte, ao lado de Jurerê. Idealizada pelo Brigadeiro José da Silva Paes, engenheiro militar e primeiro governador da Capitania da Ilha de Santa Catarina.

 

Em 1765 foi construída a Bateria de São Caetano, a 200 metros da Fortaleza, para completar a defesa do flanco leste. Historiadores afirmam que, esta fortaleza não foi efetivamente utilizada do ponto de vista bélico nem mesmo durante a invasão espanhola de 1777. A partir de então, caiu em descrédito e progressivo abandono.

 

Em 1938, já em ruínas, foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Nas décadas de 70 e 80 foram realizados trabalhos de prospecção arqueológica e de restauro parcial e finalmente, em 1991 e 1992, teve a maioria de seus edifícios restaurados pelo Projeto Fortalezas da Ilha de Santa Catarina da UFSC.

 

Todo o sistema de defesa montado para defender a Baía Norte não passou de um grande fracasso, um erro estratégico imperdoável. A distância entre os fortes era de 6 Km, enquanto o canhão de maior calibre tinha um alcance máximo de 2 Km. Em 1777, uma esquadra espanhola, adentrou o canal com 20 vasos de guerra, 97 navios mercantes, 674 canhões, 12 mil homens e mantimentos para 6 meses de cerco.

 

Ocuparam a ilha e só foram embora no ano seguinte, após a assinatura do tratado de Santo Idelfonso, no qual Portugal sedeu a província de Sacramento (atual Uruguai) em troca de outras terras, entre elas a Ilha.

 

A Casa do Comandante foi construída curiosamente geminada ao Paiol da Pólvora, formando o único conjunto com dois pavimentos da Fortaleza. Hoje na Casa do Comandante funciona uma exposição com as peças arqueológicas encontradas durante o processo de restauração.

 

No Paiol da Pólvora, painéis contam a história da Fortaleza, com fotos e informações.

 

Dicas:

 

Visitação : todos os dias das 9 às 18h e durante a temporada das 9 às 20h Preços : Adulto R$ 3,00 - Estudante R$ 1,50 - Crianças e Idosos não pagam. Acesso: Localizada ao Norte da Ilha de Santa Catarina. A Fortaleza de São José da Ponta Grossa é de fácil acesso por terra. A partir do centro pela rodovia SC-401, entrar para Jurerê Internacional e seguir para a praia do Forte. O que levar. Máquina Fotográfica.

 

Ilha do Campeche

Inscrições deixadas por uma civilização remota unem-se à exuberância natural para fazer da misteriosa Ilha do Campeche, uma das mais belas atrações de Florianópolis, em Santa Catarina.

 

A Ilha do Campeche impressiona por sua beleza natural, animais e aves em extinção como o tié-sangue, vivem em meio à Mata Atlântica preservada. Entre as rochas de sua costeira, pode-se ver magníficas piscinas naturais sob águas claras e esverdeadas, desvendando uma rica fauna submarina.

 

Entre as ilhas oceânicas de pequeno porte a Ilha do Campeche é que tem a praia mais extensa do litoral brasileiro, são 600 metros de areias finas e claras, banhadas por águas verdes e geladas.

 

Além de todas as belezas naturais, o mais interessante fica por conta das inscrições rupestres, os pesquisadores conseguiram catalogar mais de 150 desenhos espalhados por toda a ilha. São 21 sítios arqueológicos (onde foram encontrados grupos de figuras, restos de comida, sepultamentos, armas, etc), 9 estações líticas (onde eram usadas água e areia para afiar ferramentas) e 1 sambaqui (um amontoado de conchas, onde eram enterrados os mortos e os animais, mas onde foram encontrados também ferramentas e armas).

 

Basicamente, os desenhos são geométricos e têm formas humanas e de animais. Figuras formadas por meio de círculos, triângulos e quadrados. Além da estranha ocorrência de hexágonos. À beira-mar ou em ilhas, a arte rupestre está presente em quase todo o litoral catarinense e é na Ilha do Campeche onde está a maior concentração.

 

Estudos demonstram que diferentes grupos humanos viveram na Ilha do Campeche, em diversas épocas. Dos povos primitivos, sabe-se que eram caçadores, pescadores e coletores e que se alimentavam basicamente de moluscos, origem dos sambaquis, grande quantidade de conchas e outras sobras do cotidiano, acumuladas em uma espécie de "lixo pré-histórico". Pontas de lança e de flecha indicam a presença de sambiqueiros itamaracás com hábitos de caça e pesca. Outros estágios de ocupação da ilha seriam o ano 800, pelos índios tupi-guaranis, e o século XVIII, pelos homens que se dedicavam à caça de baleia.

 

Apesar da Ilha ter sido tombada como patrimônio arqueológico e natural em 19 de julho de 2000 pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). A visitação é aberta ao público, desde que se ande acompanhado de guias especializados. Essa medida teve que ser tomada para segurar a depedração causada pelos visitantes, pedras com inscrições foram pichadas e lascadas. Além da preservação da ilha, os guias garantem informação e segurança ao visitante, já que há caminhos perigosos que requerem conhecimento do trajeto.

 

Outra atitude para preservar a Ilha do Campeche é controlar e monitorar a entrada do público, que no verão são mais de 600 visitantes por dia, por isso o número será limitado.

 

 

Jurerê e Jurerê Internacional

Ambas praias dividem a mesma faixa de areia e o mar calmo, com águas mais quentes. Suntuosas casas e ótima infra-estrutura turística fazem de Jurerê a praia mais sofisticada da Ilha de Santa Catarina.

 

Essa praia desenvolveu-se a partir de um loteamento de luxo criado na década de 80. Tem um público mais exigente, que busca diversão aliada ao conforto. Durante a temporada um parque aquático faz alegria do público.

 

Para conhecer um pouco mais sobre a história da Ilha, uma boa opção de passeio é visitar o Forte de São José da Ponta Grossa, que fica entre a praia de Jurerê e a Praia do Forte.

 

 

Lagoa da Conceição

Localizada na região Leste da Ilha de Santa Catarina e próxima às praias da Joaquina, Mole, Galheta e Barra da Lagoa .É lá que fica a maior concentração de bares, lojas e bons restaurantes.

 

A Lagoa da Conceição é um dos cartões postais de Florianópolis, pela sua grandiosidade e beleza. No mirante localizado no morro da Lagoa, pode-se ver toda sua extensão.

 

A Lagoa também atrai praticantes de esportes aquáticos como o windsurf, kite, barcos a vela e caiaques.

 

 

Mercado Público

Próximo ao mar para facilitar o acesso das embarcações que no passado abasteciam o mercado. A sua localização foi alvo de discussões que levaram a demolição do primeiro prédio.

 

A construção do mercado atual teve início em 1898 com traços bastante simples e planta retangular com duas torres que quebram a excessiva horizontabilidade.

 

O Pátio interno é circundado por 140 boxes que comercializam de tudo, vestuário, artesanato, pescado etc. Existem bares e restaurantes que garantem o movimento após o horário comercial.

 

 

Palácio Cruz e Sousa

O Palácio Cruz e Sousa está situado no Largo da Catedral Metropolitana em frente à Praça XV de Novembro. Construído no século XVIII, conforme uma planta do Brigadeiro José da Silva Paes, servia de residência e local de trabalho para o Presidente da Província e mais tarde para os Governadores de Santa Catarina.

 

O Palácio do Governo foi rebatizado mais tarde de Palácio Cruz e Sousa em homenagem ao poeta Cruz e Sousa, considerado expressão máxima do movimento poético simbolista no Brasil.

 

 

Ponte Hercílio Luz

Inaugurada após 4 anos de construção, no dia 13 de maio de 1926, seus 821 metros de comprimento e 10,5 de largura , tornaram possível o acesso à Ilha sem a necessidade da travessia de barco , que por ser onerosa e tomar um bom tempo, estava atrasando o desenvolvimento de Florianópolis e também das cidades do continente próximas à Ilha.

 

Com isso Florianópolis começou a perder prestígio político e a transferência da capital da província para outra cidade começou a ser cogitada.

 

A ponte já era um projeto antigo do governador Hercílio Pedro da Luz , mas somente no último ano de seu mandato em 1922, ele conseguiu concretizar o segundo empréstimo com os banqueiros americanos, o que tornou possível o ínicio das obras pela empreiteira , também americana , Byington & Sundstron , está encomendou a estrutura de aço com 5000 toneladas de uma empresa com sede em Nova York.

 

Desde o princípio , o projeto de costrução da ponte feito pelos engenheiros americanos Robinson & Steimann teve sua segurança contestada baseado no fato que era uma cópia da ponte pênsil de Londres que já havia caído antes de completar 20 anos.

 

O grande idealizador da ponte , Hercílio Luz , faleceu antes de ver a obra concluída , restando a ele a homenagem do povo catarinense que preparou uma miniatura da ponte , com 18 metros de comprimento, para comemorar o retorno do adorado estadista de uma longa viagem à Europa.

 

Além de caminhar sobre a miniatura , sempre apoiado em sua bengala , Hercílo Luz pôde vislumbrar os pilares de sustentação da ponte enquanto o paquete Itapema que o trazia da Europa , manobrava para atracar no trapiche da beira mar na tarde de 8 de outubro de 1924 , poucos dias antes de morrer.

 

Depois de 58 anos de intensa utilização , a ponte Hercílo luz foi interditada em 1982 e reaberta em 1988 para o tráfego de pedestres , bicicletas e veículos leves, até que em 1991 foi descoberta uma fissura capaz de colocar em risco a estrutura toda. Desde então, o principal cartão postal de Florianópolis, está totalmente interditado e corre risco de desabamento.

 

 

Praça XV de Novembro

Bem no centro da cidade , a sombra de palmeiras, cravos da índia , ficus indiana e com a majestosa figueira no meio , a Praça XV arborizada no começo do século é passagem obrigatória de todos que transitam por Florianópolis , a passeio ou a trabalho.

 

 

Praia Brava

O nome já diz que é uma praia de mar aberto e com boas ondas para a prática do surf, vários condomínios de prédios à beira mar e boas opções de hospedagem. A Brava é uma praia sofisticada,onde até o esgoto recebe tratamento especial, por bactérias.

 

Apesar do mar ser indicado para a prática do surf, a Brava garante bons mergulhos no seu costão direito, pois a arrebentação das ondas não é muito forte. O acesso à Praia Brava, distante 38 Km do centro, é feito através da estrada para Ponta das Canas.

 

 

Praia da Armação

A praia da Armação possui 2,5 km e mar bastante agitado, recebeu este nome porque assim eram chamadas todas as praias onde eram caçadas as baleias.

 

Hoje é de lá que você pode fretar um barco para ir à Ilha do Campeche. Uma boa opção para suas férias.

 

Como chegar: pela rodovia SC-405 que leva ao sul da ilha, entra à direita na primeira bifurcação e à esquerda na segunda, 25 km do centro.

 

 

Praia da Barra da Lagoa

A Barra da Lagoa é uma boa opção para um banho de mar tranquilo. As ondas, normalmente fracas, garantem a diversão das crianças. É a maior comunidade pesqueira da cidade, sendo bastante povoada, e com muitas opções de pousadas e restaurantes.

 

Para chegar a praia,localizada a 20 Km do centro, deve-se atravessar a Av. das Rendeiras na Lagoa da Conceição, e tomar rumo ao norte da ilha.Após a Praia Mole siga pela estrada principal e dobre à direita na bifurcação. Ônibus urbanos partem do centro em direção à Barra da Lagoa de 15 em 15 minutos.

 

 

Praia da Daniela

É uma praia de mar calmo ideal para famílias com crianças.

 

Nos finais de semana a praia fica lotada de banhistas

 

Podemos encontrar atividades náuticas como: jet sky, caiaques e banana boat.

 

 

Praia da Galheta

Possui uma extensão de 950 metros, com larga faixa de areia branca e fina. O mar, geralmente calmo, é ideal para o banho e esportes náuticos. Não possui nenhuma estrutura turística por ser um Parque Ecológico, mas a Praia Mole (ao lado) separada por pedras - oferece serviços de hospedagem, bar, alimentação e sanitários.

 

O Parque Municipal da Praia da Galheta com área de 1.493 ha, na costa leste da Ilha de Santa Catarina, foi criado pela Lei 3455/90 e regulamentado pelo Decreto 698/94.

 

O processo de sua criação começou na década de 80, com o movimento pela preservação ambiental, contrário à especulação imobiliária que destruía as maiores belezas naturais da Ilha de Santa Catarina.

 

A vegetação do Parque é constituída basicamente de gramíneas no topo dos morros, restos de mata atlântica nas encostas e arbustos na área próxima à praia. A água cristalina e sem poluição, os morros e formações rochosas, as vertentes naturais de água, a vegetação formada por arbustos, orquídeas e bromélias, fazem da Praia da Galheta um paraíso, onde o silêncio só é quebrado pelas ondas do mar.

 

O movimento naturista na Galheta tem pelo menos 20 anos, e está organizado em torno da Associação Amigos da Galheta - AGAL, entidade sem fins lucrativos, fundada com o objetivo de promover o NATURISMO (autorizado pela Lei CMF 195/97) e trabalhar pela preservação integral da área como PARQUE ECOLÓGICO.

 

Seus integrantes, além da tarefa de difusão do naturismo, destacam-se na luta pela preservação do Parque, recolhendo lixo, denunciando a destruição da flora, fauna e solo, reflorestando áreas degradadas e defendendo o patrimônio dos sítios arqueológicos.

 

 

Praia da Joaquina

A Praia da Joaquina é uma das paradas obrigatórias de Floripa, lindas dunas e uma paisagem alucinante. Famosa por ter boas ondas e ser palco de diversos campeonatos de surf desde a década de 70.

 

Nas dunas pode-se praticar o Surf de areia em cima de uma prancha de Sandboard que pode ser alugada ali mesmo.

 

É uma das praias que oferece melhor estrutura turística, contando com chuveiros públicos, estacionamento pago, banheiros, terminal turístico, salva-vidas, posto policial, loja de artesanato, bares, restaurantes e hotéis. É também a praia que recebe mais excursões de ônibus com turistas Brasileiros e Argentinos.

 

 

Praia da Lagoinha

Considera a mais bela praia da Ilha, a Lagoinha de Leste esta resguardada entre altos costões e muita mata atlântica preservada, que compreende o Parque Municipal da Lagoinha do Leste, com uma área total de 453 hectares de beleza exuberante e uma rica biodiversidade.

 

Só que para chegar nesse paraíso você vai ter que caminhar cerca de 4 quilômetros cruzando morros, a partir do Pântano Sul, ou 3 horas pela trilha que começa na Praia da Armação margeando pelo alto do costão à beira-mar.

 

 

Praia da Lagoinha do Leste

Considera a mais bela praia da Ilha, a Lagoinha de Leste esta resguardada entre altos costões e muita mata atlântica preservada, que compreende o Parque Municipal da Lagoinha do Leste, com uma área total de 453 hectares de beleza exuberante e uma rica biodiversidade.

 

Só que para chegar nesse paraíso você vai ter que caminhar cerca de 4 quilômetros cruzando morros, a partir do Pântano Sul, ou 3 horas pela trilha que começa na Praia da Armação margeando pelo alto do costão à beira-mar.

 

 

Praia da Ponta das Canas

Muito procurada no verão, é preciso chegar cedo para garantir a vaga do carro e um bom lugar na areia. Seu mar tranquilo, sem ondas e correnteza, atraem muitas famílias que lotam seu 1 Km de areia.

 

Bares e restaurantes simples contribuem para a grande movimentação do local. Quem prefere um pouco mais de privacidade deve optar pelo costão à direita, de fácil acesso.

 

Para se chegar à praia,localizada a 34 Km do centro, deve-se ir até o final da estrada principal de Cachoeira do Bom Jesus.

 

 

Praia da Solidão

Localizada no Sul da Ilha, a praia da Solidão é uma boa opção para o turista que quer um pouco mais de sossego, uma pequena vila, casas para alugar e alguns restaurantes simples fazem a infra-estrutura turística desta praia.

 

Para tirar a água salgada do corpo, uma boa opção é visitar a cachoeira da Solidão, próximo a saida do rio, fica a trilha de fácil acesso.

 

Na cachoeira, existem algumas quédas dágua e um poço para mergulhar. Mas tome muito cuidado, informe-se bem antes de sair pulando em qualquer lugar.

 

 

Praia da Tapera

Você pode encontrar restaurantes especializados em frutos do mar, como o pastel de berbigão, um molusco encontrado em abundância na região.

 

A vila possui arquitetura colonial. Para chegar ir pela rodovia SC-405, seguir a direita nas duas bifurcações e, a partir daí, seguir as placas de sinalização.

 

 

Praia de Açores e Pântano do Sul

Localizada no Sul da Ilha, as praias de Açores e Pântano do Sul são na verdade a mesma praia. No canto Norte chamada de Pântano do Sul, as águas são mais calmas, existem ótimos restaurantes de frutos do mar e algumas lojas de artesanato. No canto Sul chamada de Açores, a praia é mais limpa e reserva belas paisagens, as ondas quebram um pouco mais forte e a areia é mais mole.

 

Existem algumas pousadas, tanto no canto Sul quanto no canto Norte, mas uma outra boa opção de hospedagem é alugar uma casa. A região Sul da Ilha é sempre uma boa opção para o turista que quer um pouco mais de sossego.

 

 

Praia de Cachoeira do Bom Jesus

Com 3 Km de extensão, é a continuação de Canasvieiras, seguindo à direita. Seu mar é calmo e bom para banhos. Possui boa infra-estrutura o ano todo, com diversos hotéis, pousadas, casas pra alugar e supermercados.

 

Para chegar à praia ,localizada a 30 Km do centro, deve-se seguir pela SC-401e dobrar à direita no trevo de Canasvieiras.

 

 

Praia de Cacupé

É uma comunidade com várias praias, não muito indicadas ao banho.

 

O mar calmo da Baía Norte é um convite para a pesca e passeios.

 

Os poucos e simples restaurantes locais são boas opções durante o ano inteiro.

 

É a primeira praia do Norte da Ilha, seguindo 11 Km do Centro de Florianópolis até a comunidade.

 

Da rodovia SC-401 há uma estrada calçada de acesso.

 

 

Praia de Caieira da Barra do Sul

Sua vista é voltada para a Baía Sul, formada por váris praias de fundo lodoso, mais indicada para adeptos da pesca. A estrada de acesso a Caieira é asfaltada mas não existe estrutura turística no local.

 

Como chegar: Pela rodovia SC-405, manter a direita nas duas bifurcações no caminho (no sentido Centro - Sul da ilha), passando Ribeirão da Ilha fica aproximadamente 39 km do centro.

 

 

Praia de Canasvieiras

Muito procurada pelos turistas argentinos, Canasvieiras se transforma no verão. A praia oferece uma completa infra-estrutura com lojas, supermercados e mini shopping, além de inúmeras opções de hotéis, pousadas e casas para alugar.

 

O mar calmo garante a tranquilidade para as crianças. Na praia, bastante movimentada, pode-se andar de caiaque, jet sky e wind surf.

 

Para se chegar à praia ,localizada a 27 Km do centro, é só seguir até o final da SC-401.

 

 

Praia de Ingleses

O nome vem de um navio inglês que naufragou aqui por volta de 1700. Estreita faixa de areia batida e morros nas extremidades, tem vista para a Ilha de Mata Fome e ao Sul é separada da praia do Santinho por um conjunto de dunas.

 

A praia é bastante frequentada pelos Argentinos no verão e tem uma boa infra-estrutura turística.

 

 

Praia de Moçambique

A praia de Moçambique é frequentada basicamente por surfistas em buscas de suas ondas perfeitas como essa abaixo, o trecho mais frequentado da praia é a parte que fica próxima a Barra da Lagoa.

 

Com ondas tubulares e perfeitas, a praia de Moçambique é uma das melhores opções para quem quer surfar longe do crowd. Não tem nenhuma barraca e boa parte de sua extensão fica dentro do Parque Florestal do Rio Vermelho.

 

O parque recebe alguns pinguins desgarrados que são trazidos por correntes marítimas da Antártida, esses pinguins são mantidos em um viveiro de recuperação e podem ser visitados, o parque fica aberto diáriamente das 8h às 17:30h e entrada é grátis.

 

 

Praia de Morro das Pedras

Boa para a prática do surf, tem o acesso ao lado de um costão, onde há oficinas líticas ( pedras nas quais os primeiros habitantes fabricavam suas ferramentas). É a continuação da Praia do Campeche e possui quase 1 Km.

 

Em frente ao costão, uma subida leva ao Retiro dos Jesuítas, de onde se pode avistar toda a região. Há várias opções de hotéis, pousadas e casas para alugar.

 

 

Praia de Naufragados

Distante cerca de 40 km do centro e com extensão de 0.95 km, a praia fica localizada no extremo Sul da Ilha de Santa Catarina possuindo uma paisagem deslumbrante. Em 1753 naufragaram duas embarcações que traziam 250 Açorianos para o Rio Grande do Sul, destes, apenas 77 sobreviveram, e parte deles passou a viver ali, dai o nome de Naufragados.

 

A praia está em área de preservação do Parque Estadual do Tabuleiro, mesmo assim existem algumas construções descaracterizando a paisagem. Não existem pousadas e a única opção é o camping selvagem. Existem apenas alguns restaurantes onde se pode saborear uma boa comida caseira acompanhada de uma cerveja gelada. A tranquilidade da praia só é quebrada nos dias de mar bravo com ondulação de Sul quando as ondas ficam boas para à prática do surfe.

 

O Farol

Uma das atrações é a caminhada até o Farol na ponta de Naufragados. A trilha proporciona uma bela vista da praia e é bem fácil. O Farol dos Náufragos ou Farol de Naufragados, teve suas obras concluídas no dia 4 de novembro de 1860 e foi inaugurado no dia 3 de maio de 1861. Construído num maciço de 30 metros, totalizando 42,6 metros acima do mar é o mais antigo de Santa Catarina e seu alcance atual é de 18 milhas.

 

Na trilha que sai de Caieira da Barra do Sul e leva até a praia de Naufragados, existe uma bifurcação à direita que leva direto ao farol. Procurando pelas trilhas e vistas encontramos antigos canhões de guerra que formavam o forte da Ponta de Naufragados, funcionando em conjunto com o Forte de Nossa Senhora da Conceição na ilha de Araçatuba localizada bem em frente ao farol.

 

Como chegar:

Não existe estrada para Naufragados, pode-se alugar um barco ou fazer a trilha que dura aproximadamente 50 minutos (3 Km) e passa por cachoeiras e ruínas de antigas construções coloniais. Não tem como se perder, a trilha é bem marcada e apenas em um momento existe uma bifurcação para a direita que leva direto ao farol. Tanto o barco quanto a trilha tem início no ponto final de Caieira da Barra do Sul. Para chegar de vá ir pela rodovia SC-405, seguir a direita nas duas bifurcações. Você vai chegar na Caieira da Barra do Sul, à esquerda fica a trilha para Naufragados.

 

 

Praia de Ribeirão da Ilha

Seu conjunto arquitetônico é um dos mais bonitos e preservados da colonização açoriana em Florianópolis.

 

Um dos principais pontos turísticos a Igreja de Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão fundada em 1806 está relativamente bem conservada.

 

Chega-se pela rodovia SC-405, entrando a direita nas duas bifurcações.

 

 

Praia de Sambaqui

Uma das praias mais próxima do centro, um ótimo lugar para visitar. Existem bons bares e restaurantes, também é possível degustar ostras e mariscos fresquinhos apanhados na hora pelos cultivadores da região. O acesso é pela SC-401 no trevo que da acesso a Santo Antônio de Lisboa e Sambaqui.

 

 

Praia de Santo Antônio de Lisboa

Santo Antônio de Lisboa é um ótimo roteiro para quem quer conhecer um pouco mais da história e da cultura açoriana. É a comunidade mais antiga da Ilha e possui grandes atrativos para o turista.

 

Visitar a igreja, apreciar o artesanato na Casa das Artes e Tramóias e experimentar ostras cultivadas no local são opções imperdíveis. Bons bares e restaurantes ficam abertos o ano todo.

 

 

Praia do Campeche

Com 11,5 Km de praia, o Campeche oferece muitas opções de hospedagem, bares e restaurantes.Seu mar, de ondas fortes, é muito procurado por surfistas atrás de suas ondas longas e perfeitas. O famoso escritor e aviador francês, Saint Exupéry morou no Campeche e dizem que o clássico da literatura infantil "O Pequeno Príncipe" foi escrito em lá.

 

Pode-se avistar , de qualquer ponto da praia, a Ilha do Campeche, onde existem 73 das mais de 130 inscrições rupestres encontradas em Florianópolis. Estas inscrições, feitas por povos primitivos a mais de 4.000 anos nunca foram decifradas.

 

Para chegar ao Campeche ,localizado a 20 Km do centro, deve-se seguir pela SC 405 e virar à direita na primeira bifurcação.Neste caminho, entrar no primeiro acesso à esquerda e seguir até a praia.

 

 

Praia do Forte

Praia de mar calmo, com cerca de 900 metros de extensão. Começou a ganhar mais visitantes depois que o forte São José da Ponta Grossa foi restaurado e a estrada pavimentada. Isso fez aumentar também o número de bares e restaurantes, tanto no alto do morro, próximo ao Forte, como na areia da praia.

 

Como Chegar: pegar o primeiro viaduto depois do posto do pedágio da SC-401 e seguir as indicações para Jurerê Internacional. Entrar à esquerda na estrada principal de Jurerê Internacional e seguir até o final. Uma subida íngreme, mas pavimentada leva ao Forte e à praia, distante 27 Km do Centro.

 

Praia do Matadeiro

A praia do Matadeiro fica ao lado da praia da Armação, separadas por um rio e pelo molhe. Para chegar a praia do Matadeiro você pode atravessa o rio com água no joelho (quando maré baixa), ou pela ponte ao lado da Igreja da Armação. O mar é excelente para banho, surf e para quem gosta de mergulhar ou pescar, o costão direito é uma boa pedida.

 

Como chegar: pela rodovia SC-405 que leva ao sul da ilha, entra à direita na primeira bifurcação e à esquerda na segunda, 25 km do centro.

 

 

Praia do Santinho

A praia do Santinho é inclinada, de tombo e com vistas para a Ilha Badejo e Ilha das Aranhas. Subindo o morro do canto você podera ver inscrições rupestres feitas pelos índios Carijós ha quase 5.000 anos.

 

A praia do Santinho é inclinada, de tombo e com vistas para a Ilha Badejo e Ilha das Aranhas.

 

Subindo o morro do canto você podera ver inscrições rupestres feitas pelos índios Carijós ha quase 5.000 anos.

 

A praia fica quase sempre vazia e tranquila.

 

 

Praia do Saquinho

Localizada entre as praias da Solidão e Naufragados a praia do Saquinho é um roteiro para quem gosta de curtir a natureza. O acesso é por uma trilha pavimentada que começa no costão da praia da Solidão, leva cerca de 30 minutos e o grau de dificuldade é médio.

 

É uma das últimas comunidades da Ilha que vive totalmente isolada, sem estradas e energia elétrica ainda conservam muitos costumes nativos.

 

A praia tem cerca de 250 metros de extensão, coberta por areia fina e grandes rochas que formam uma paisagem sem igual.

 

 

Praia Mole

Localizada na costa Leste da Ilha de Santa Catarina, a Praia Mole é o point ideal para quem curte uma paquera ou gosta de praticar esportes. Possui águas claras, areias soltas e macias.

 

Uma praia preservada e com boa estrutura turística, contando com quiosques, estacionamentos, duchas, banheiros e salva-vidas e alguns hotéis e pousadas. Não recomendada para banhistas por ser uma praia de tombo com ondas fortes e muitos buracos.

 

Frequentada por uma galera que pratica esportes e curte uma vida saudável. Quadras de Footvoley, mini-ramp, frescobol e altas ondas, tudo isso acompanhado de muitas mulheres bonitas. Com o vento Sul a galera salta de parapente do canto Norte e com o vento Nordeste o melhor é saltar no canto Sul .

 

 

Prédio da Alfândega

Bem próximo ao Mercado Público está o prédio da Antiga Alfândega, importante patrimônio histórico de Florianópolis. De aparencia sóbria e com bom equilíbrio de proporções, é considerado um dos melhores exemplos da arquitetura neoclássica da capital catarinense. Foi inaugurado em 1876, pelo então presidente da província, Alfredo D%39Escragnolle Taunay.

 

O local levou dois anos para ser construído, em substituição à sede anterior da Alfândega, incendiada em 1866 por causas até hoje desconhecidas. Sua desativação aconteceu em 1964, com o fechamento do Porto de Florianópolis, vindo a ser restaurado 13 anos mais tarde. Em 1984 passou por novos reparos.

 

Atualmente na parte superior do prédio funciona a 11ª Coordenadoria Regional do Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural. No térreo fica a galeria da Associação dos Artistas Plásticos de Santa Catarina e uma loja de artesanato que chega a receber até mil pessoas por dia durante o verão.

 

 

Retiro dos Jesuítas

O Acesso a Casa de Retiro Nossa Senhora de Fátima ou Retiro dos Jesuítas fica em frente ao costão do Morro das Pedras, de onde pode-se avistar a praia da Armação e a Ilha do Campeche.

 

O trabalho dos jesuítas, no extremo sul do Brasil, teve início em fins de 1842, com alguns padres espanhóis vindos da Argentina. É a chamada fase espanhola. Já em 1843 estão na Ilha de Nossa Senhora do Desterro, em Santa Catarina.

 

Telefones: (048) 237-9309 (casa) e (048) 237-9245 (resid. irmãs)

 

 

Santuário da Imaculada Conceição

A antiga sesmaria de Dias Venho, fundador de Desterro, tornou-se freguesia em 1750 e foi dedicada a Nossa Senhora da Conceição, como também a capela que começou a ser construída nesta época.

 

O imperador D. Pedro II ao visitar a ilha em 1847, doou à igreja uma custódia de prata e os sinos, instalados em 1861.

 

Em 1975 foi tombada pelo patrimônio histórico, em 1986-1997 restaurada e elevada a santuário no dia 8 de dezembro de 1999.

 

Apesar de várias transformações a igreja da Lagoa é um dos melhores exemplos da arquitetura trazida pelos portugueses a Santa Catarina. Encravada no meio do verde do morro, de seu pátio têm-se visão panorâmica da Lagoa da Conceição.



NEWSLETTER


Cadastre-se gratuitamente e receba em seu e-mail nossos informativos.





PREVISÃO DO TEMPO


Fonte: Tempo Agora

Pousada indicada.


InicialA PousadaFlorianópolisTarifasParceirosOpcionaisFaça sua ReservaContato


Copyright © 2009 | PortodoArvoredo.com.br
Todos os direito reservados.